Apoie Nossa Causa

Conheça histórias de jovens protagonistas que participaram de projetos apoiados pela Fundação Odebrecht ao longo dos seus mais de 50 anos.
Ana Cristina Faria
Ana Cristina Faria
Teatro para educar

Aos 30 anos, a carioca Ana Cristina Faria relembra sua passagem pelo projeto Educarte:

“Eu participei do projeto Educarte, resultado de um convênio entre as secretarias municipais de educação e saúde do Rio de Janeiro, o Centro de Educação Sexual - Cedus e a Fundação Odebrecht, de 1993 a 1995. Fiz parte do grupo de teatro “Os 13 Camaleões”.

Levávamos o espetáculo “O que você acha disso tudo?”, às escolas municipais da cidade do Rio de Janeiro. Ao final de cada apresentação, nós tirávamos as dúvidas dos jovens sobre sexualidade, em um bate-papo com a platéia.

Foi uma experiência única na minha vida. Proporcionou-me um grande conhecimento sobre o tema, o qual apliquei em toda minha vida. Fiz amigos, conheci pessoas diferentes, participei de encontros fora do meu estado e o teatro me ajudou a me expressar melhor, me desinibiu para falar em público.

Hoje eu tenho 30 anos, sou casada e tenho dois filhos lindos. Formei-me em Arquivologia pela Universidade do Rio de Janeiro - UNIRIO. Não segui a carreira artística, mas acho que nunca é tarde pra fazer o que gostamos, por isso, um dia, ainda voltarei aos palcos”.

Conheça a história de outros jovens apoiados

Anderson Silva dos Santos, da comunidade Fazenda Café, Valença (BA), decidiu terminar o ensino médio por meio de uma formação contextualizada ao campo, com o ensino da Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN). A escolha foi, segundo o próprio, “a melhor coisa que poderia acontecer. Proporcionou uma mudança completa de vida”.

O jovem conheceu a CFR-PTN, que é apoiada pela Fundação Odebrecht através do Programa PDCIS, por meio de uma vizinha e estudante da unidade. O encanto foi imediato. “A oportunidade de obter ainda mais conhecimento e ajudar a minha família, tornando-me um Técnico em Agropecuária, me impulsionou”, afirmou. Apoiado pelo Programa Tributo ao Futuro – Novas Gerações, também coordenado pela Fundação, Anderson implantou 4 hectares de banana-da-terra e de abacaxi e passou a utilizar novas técnicas de adubação e plantio. “Perdíamos muitas colheitas por não saber a forma correta de trabalhar com os cultivos. Com meus aprendizados, sabemos agora como fazer, porque fazer e até como mensurar os nossos resultados”, disse.

Segundo o pai, Manoel dos Santos, o jovem trouxe não só benefícios para a família, mas também para os vizinhos, pequenos produtores: “Tive resistência no início, mas vi que tudo o que ele nos ensinou foi importante para a nossa produtividade. E a comunidade enxergou isso e vem pedir o apoio dele também. Isso é muito bom, pois quando ele compartilha o que sabe, acaba aprendendo ainda mais”. Antes da entrada de Anderson na CFR-PTN, a área da família, composta por cinco filhos, era de apenas 0,5 hectares. “Era muito pouco, não tínhamos como viver apenas daquilo”. Hoje, os 4,5 hectares rendem ótimos resultados e são comercializados por meio da Cooperativa de Produtores Rurais de Presidente Tancredo Neves (Coopatan), instituição apoiada pela Fundação.

“Quando iriamos imaginar que teríamos assistência técnica para a nossa terra? Estamos muito felizes, pois recebemos orientações e plantamos de uma forma que dá certo, traz renda. Sabemos até quanto vale cada planta nossa, se vamos lucrar ou ter algum prejuízo”, comentou Ana Lúcia da Silva, mãe de Anderson, ao falar sobre a cooperativa e o ensino qualificado do filho. Para o adolescente, futuro empresário rural, essa transformação, percebida no olhar da família e da comunidade, é o que faz com que ele busque um caminho cada vez mais promissor. “Essa minha área representa tudo para mim. Sei que com os resultados obtidos, posso comprar novas terras e ir melhorando sempre. Daqui não saio mais”, concluiu.

Josiane Silva do Amor Divino, 17 anos, mora na comunidade de Brejo Mole, município de Camamu (BA). Cursando o 3º ano do ensino médio, ela batalhou muito para estar a um passo da formação. “Era uma adolescente muito rebelde, que não dava importância aos estudos. Foi então que conversei com um amigo sobre a Casa Familiar Rural de Igrapiúna (CFR-I), onde ele estudava, e fiquei interessada. Quando alguns professores de lá foram até minha antiga escola e falaram sobre o processo seletivo, não tive dúvidas: era lá que eu queria estudar”, afirmou.

Com a aprovação e início das aulas, novos desafios surgiram para Josiane. “Tudo foi dando certo nessa caminhada. Tive alguns obstáculos, que considero como degraus que me levaram a alcançar a vitória. A Casa Familiar mudou bastante a minha vida, me mostrando a realidade, trazendo objetivos, conhecimentos e recursos. Mudei o modo de agir e pensar”, relatou.

Sobre o aspecto profissional, as transformações também foram grandes. “Percebi o valor da agricultura familiar. Os conhecimentos que tenho aqui são a base da minha vida no campo. Sou filha de agricultor e ajudo os meus pais e irmãos na agricultura”. Com a formação chegando, já em dezembro deste ano, Josiane ressalta que agarrou as oportunidades por acreditar no seu futuro. “A Casa me deu a oportunidade de aprender que a disciplina gera o respeito e consolida a confiança no ser humano. Sou muito feliz por estar aqui e por ter mudado a minha vida e meus pensamentos. Estudar na CFR-I é um verdadeiro sonho”. A instituição é apoiada pela Fundação Odebrecht através do Programa PDCIS.

As responsabilidades e desafios assumidos por José Leonardo, 29 anos, comprovam a capacidade e empenho deste cidadão de Presidente Tancredo Neves, município do Baixo Sul da Bahia.

Atualmente, este funcionário público municipal acumula as presidências do Conselho Municipal da Educação, do Meio Ambiente e do Sindicato dos Funcionários Públicos de sua cidade, além de ser secretário do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

José Leonardo, no site da Fundação Odebrecht, compartilhou sua longa trajetória que incluiu passagens por alguns projetos da Aliança com o Adolescente pelo Desenvolvimento Sustentável no Nordeste.

“Ingressei na Aliança no ano de 1998, participando do Programa Jovem Empresário com os monitores Silvana e Douglas. Gostei muito de ter participado, pois me trouxe perspectiva de vida.

Em seguida, fiquei sabendo que a Aliança com o Adolescente realizava outro projeto conhecido como Conhecendo o Baixo Sul. Seus coordenadores eram Clóvis e Joana. Este foi um projeto que me mostrou a realidade da minha cidade (Presidente Tancredo Neves) e minha região (Baixo Sul).

Pude perceber a carência das pessoas e isto me incentivou a buscar meios para não ficar a margem da sociedade e participar da discussão de políticas públicas para que as pessoas pudessem ter vidas dignas.

Tenho muito a agradecer aos responsáveis por este projeto, a Fundação Odebrecht, na pessoa de Clóvis e Joana, por ter me proporcionado conhecimentos e visão do mundo em que eu estava vivendo e que podia transformar. Agradeço também a todos colaboradores como a Fundação Kellogg e Instituto Ayrton Sena.

Muito obrigado”.

“Sinto-me parte desta história e tenho muito orgulho em ajudar a recontá-la”. A frase é da psicóloga Rebeca Bulhosa, 32 anos, um dos talentos egressos que gravaram depoimentos para o vídeo comemorativo - 20 anos de Protagonismo Juvenil. O documentário pode ser visto pelos visitantes da exposição, de mesmo tema, lançada em 27 de outubro, no Edifício-Sede da Odebrecht em Salvador.

Rebeca participou do Programa de Formação de Adolescentes Voluntários, Prêmio Fundação Odebrecht - O Adolescente por uma Escola Melhor, Projeto Educação: um Exercício de Cidadania, Programa de Formação de Adolescentes Voluntários e Prêmio Fundação Odebrecht - Gravidez na Adolescência. Conheça esta trajetória:

“Conheci a Fundação Odebrecht durante a apresentação dos resultados do primeiro prêmio que a ela estava realizando com o foco na adolescência. Nesta época eu devia ter uns 13 ou 14 anos. Fiquei tão empolgada que acabei participando das oficinas para produção do material de divulgação do prêmio seguinte e depois atuando como monitora das oficinas com estudantes, junto com um grupo de jovens.

A experiência foi tão bacana que provocou a estruturação do Grupo de Adolescentes Voluntários Mutação. Tudo que vivi durante este projeto me marcou profundamente. O grupo influenciou muito as minhas escolhas não só profissionais, mas pessoais e me ajudou a descobrir as minhas potencialidades e fragilidades.

Ensinou-me também a me relacionar melhor com as pessoas, entender minha família e me mostrou como eu poderia colaborar com a melhoria da qualidade de vida de outras pessoas, principalmente de outros jovens como eu.

Depois disto, passei por várias organizações sociais de Salvador, me graduei em Psicologia e atualmente sou técnica do Instituto Aliança. Tudo que aprendi está impresso na minha forma de atuar e no meu coração”.

Receba nossas novidades:
Basta informar seu nome e melhor e-mail!
2018 - 2019. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital