Apoie Nossa Causa

Conheça histórias de jovens protagonistas que participaram de projetos apoiados pela Fundação Odebrecht ao longo dos seus mais de 50 anos.
Cássia Ramos
Cássia Ramos
Quero me transformar em uma empresária rural de sucesso

Para Cássia Bispo Ramos, 17 anos, moradora da comunidade de Lamêgo, Taperoá (BA), a Casa Familiar Agroflorestal (Cfaf) foi fundamental para ampliar a sua visão de futuro. “Contribuiu muito com meu desenvolvimento, pois eu não tinha muitas perspectivas. Hoje, graças à formação e acompanhamento dos monitores, posso afirmar que quero mudar a minha vida e minha comunidade”, disse. A Cfaf faz parte do Programa PDCIS, da Fundação Odebrecht.

No terceiro e último ano do curso, Cássia participa ativamente da Associação dos Pequenos Produtores do Lamêgo, onde entrou impulsionada pelo ensino da Cfaf. “Quando estudei sobre associativismo e cooperativismo, passei a ter interesse em participar de uma associação existente em minha comunidade. Foi então que fui convidada a exercer o cargo de secretária. Fiquei muito feliz! ”, declarou.

Na função, ela aproveita para compartilhar os conhecimentos adquiridos na instituição de ensino para pessoas da sua região. “Com o trabalho, já conseguimos uma unidade de beneficiamento de dendê e projetamos adquirir um caminhão para escoar a produção dos agricultores’, relata orgulhosa. O pensamento de acabar o ensino médio e ir para os grandes centros já não passa mais pela cabeça da jovem. “Quero concluir o curso técnico em Florestas e continuar ao lado da minha família, cultivando minha área com as práticas adotadas pela instituição. Quero me transformar em uma empresária rural de sucesso”.

Conheça a história de outros jovens apoiados

“Jamais esquecerei o meu papel social”. A frase é do jovem Dhones Araújo das Neves, egresso do programa Pacto do Sítio do Descobrimento pela Educação. Aos 23 anos, Dhones cursa o terceiro semestre de Comunicação e mora na cidade de Itabuna, no interior da Bahia. Ele conta sua trajetória e revela que a verdadeira da realização está em melhorar a vida do próximo:

“Conheci o programa Pacto do Sítio, em 1998, na cidade de Porto Seguro. Encontrei nele uma motivação especial para buscar vários sonhos, que até hoje se realizam.

Foi no grupo Pró-Ativos que tudo começou. Tínhamos o objetivo de educar crianças e jovens em nossa região. Com isso, foi inevitável a capacitação dos voluntários que ao longo do tempo foram se destacando, cada um dentro da habilidade que melhor desenvolvia. Colocávamos nossa prática a favor da comunidade.

Muitas foram as conquistas pessoais. Eu, por exemplo, tive a oportunidade de conhecer lugares e pessoas que contribuíram e contribuem até hoje para meu crescimento profissional. Participei de diversas ações nas quais aprendi que a verdadeira realização está no fazer para melhorar, um pouco que seja, a vida do próximo.

Entre estas iniciativas, a que mais me marcou foi as aulas de reforço que ofereci em uma escola pública da periferia. Emociona-me saber que por meio dessa ação, muitas crianças aprenderam a ler e escrever. Ainda hoje, ao ser encontrado na rua, lembram com carinho de mim. No sorriso dessas pessoas, posso ver a recompensa que não tem preço.

O Pacto do Sítio teve uma importância muito grande em minha vida. Através dele, me tornei um jovem formado para a vida. Jamais esquecerei o meu papel social”.

As responsabilidades e desafios assumidos por José Leonardo, 29 anos, comprovam a capacidade e empenho deste cidadão de Presidente Tancredo Neves, município do Baixo Sul da Bahia.

Atualmente, este funcionário público municipal acumula as presidências do Conselho Municipal da Educação, do Meio Ambiente e do Sindicato dos Funcionários Públicos de sua cidade, além de ser secretário do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

José Leonardo, no site da Fundação Odebrecht, compartilhou sua longa trajetória que incluiu passagens por alguns projetos da Aliança com o Adolescente pelo Desenvolvimento Sustentável no Nordeste.

“Ingressei na Aliança no ano de 1998, participando do Programa Jovem Empresário com os monitores Silvana e Douglas. Gostei muito de ter participado, pois me trouxe perspectiva de vida.

Em seguida, fiquei sabendo que a Aliança com o Adolescente realizava outro projeto conhecido como Conhecendo o Baixo Sul. Seus coordenadores eram Clóvis e Joana. Este foi um projeto que me mostrou a realidade da minha cidade (Presidente Tancredo Neves) e minha região (Baixo Sul).

Pude perceber a carência das pessoas e isto me incentivou a buscar meios para não ficar a margem da sociedade e participar da discussão de políticas públicas para que as pessoas pudessem ter vidas dignas.

Tenho muito a agradecer aos responsáveis por este projeto, a Fundação Odebrecht, na pessoa de Clóvis e Joana, por ter me proporcionado conhecimentos e visão do mundo em que eu estava vivendo e que podia transformar. Agradeço também a todos colaboradores como a Fundação Kellogg e Instituto Ayrton Sena.

Muito obrigado”.

“Posso viver no campo com qualidade de vida”. A afirmação da jovem Letícia Macedo, 15 anos, que está no 2º ano do curso técnico em agropecuária integrado ao ensino médio na Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN), demonstra toda a sua satisfação por poder continuar vivendo na zona rural, ao lado de sua família, de forma digna.

Moradora da comunidade de Gendiba, localizada em Tancredo Neves (BA), Letícia contribui com o desenvolvimento e o aumento na renda de sua família. Na propriedade dos pais, tem cultivado um hectare de banana tipo terra e está na fase de implantação de dois hectares de aipim e três de mandioca. “A Casa Familiar nos ensina formas de administrar nossos recursos. Com princípios, valores, metas e espírito de servir podemos encontrar tudo no campo, no lugar onde nasci”, diz.

Toda a sua produção é somada ao que seu pai, Veridiano Macedo, entrega à Cooperativa dos Produtores Rurais de Presidente Tancredo Neves (Coopatan), que oferta produtos de qualidade a parceiros sociais e clientes. “Dessa forma nossos cultivos são comercializados de forma justa e com retorno garantido”, afirma Macedo.

Para ele, é um orgulho que sua filha tenha acesso a uma educação de qualidade para trabalhar no campo, ao seu lado. “Ela está amadurecendo com o aprendizado e estou muito feliz, pois nem todos conseguem matricular seus filhos em uma escola digna. Posso dizer que somos privilegiados”, comenta.

Além de contribuir com o crescimento de sua família, a jovem difunde o aprendizado para os moradores de sua comunidade. “Somos células multiplicadoras do conhecimento e o que aprendi na Casa Familiar pode servir a todos que vivem aqui”, comemora Letícia.

A CFR-PTN e Coopatan contam com o apoio da Fundação Odebrecht e parceiros públicos e privados, por meio do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de Áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDCIS).

Newsletter
Receba nossas novidades
Basta informar seu nome e melhor e-mail.
preload
2018 - 2020. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital