Apoie Nossa Causa

Conheça histórias de jovens protagonistas que participaram de projetos apoiados pela Fundação Odebrecht ao longo dos seus mais de 50 anos.
Rauana dos Santos
Rauana dos Santos
Eu sonho em me formar e trabalhar com o que gosto

“Gosto daqui porque tem uma base de respeito, amar e respeitar o espaço de cada um. Somos uma família”, disse Rauana dos Santos, 15 anos, estudante da Casa Familiar Agroflorestal (Cfaf), localizada no município de Nilo Peçanha. Ainda criança, sempre que podia, ajudava a mãe a plantar cacau no terreno da família. “No começo só olhava, regava... Foi assim que aprendi”, conta.

Além de trabalhar com agricultura, Rauana tem um gosto especial por plantar flores. “Na frente da minha casa tem muitas. Eu acho lindo. Ainda vou plantar mais”, contou. Outro talento que tem é com a culinária. “Eu cozinho de tudo. Gosto muito de fazer doce. Meu pai diz que é a minha cobaia. Faço pudim, bolo com cobertura, doce de abacaxi, cocada”, lembrou.

No futuro, pensa em ter seu próprio restaurante. Mas com um detalhe: só servirá pratos orgânicos. “No fundo do restaurante, quero plantar uma horta, cozinhar só com o que vier dali. Uma horta orgânica, sustentável”, enfatizou. “Eu sonho em me formar e trabalhar com o que gosto, que é plantar e cozinhar. É assim que me vejo daqui para a frente”.

Conheça a história de outros jovens apoiados

“Sinto-me parte desta história e tenho muito orgulho em ajudar a recontá-la”. A frase é da psicóloga Rebeca Bulhosa, 32 anos, um dos talentos egressos que gravaram depoimentos para o vídeo comemorativo - 20 anos de Protagonismo Juvenil. O documentário pode ser visto pelos visitantes da exposição, de mesmo tema, lançada em 27 de outubro, no Edifício-Sede da Odebrecht em Salvador.

Rebeca participou do Programa de Formação de Adolescentes Voluntários, Prêmio Fundação Odebrecht - O Adolescente por uma Escola Melhor, Projeto Educação: um Exercício de Cidadania, Programa de Formação de Adolescentes Voluntários e Prêmio Fundação Odebrecht - Gravidez na Adolescência. Conheça esta trajetória:

“Conheci a Fundação Odebrecht durante a apresentação dos resultados do primeiro prêmio que a ela estava realizando com o foco na adolescência. Nesta época eu devia ter uns 13 ou 14 anos. Fiquei tão empolgada que acabei participando das oficinas para produção do material de divulgação do prêmio seguinte e depois atuando como monitora das oficinas com estudantes, junto com um grupo de jovens.

A experiência foi tão bacana que provocou a estruturação do Grupo de Adolescentes Voluntários Mutação. Tudo que vivi durante este projeto me marcou profundamente. O grupo influenciou muito as minhas escolhas não só profissionais, mas pessoais e me ajudou a descobrir as minhas potencialidades e fragilidades.

Ensinou-me também a me relacionar melhor com as pessoas, entender minha família e me mostrou como eu poderia colaborar com a melhoria da qualidade de vida de outras pessoas, principalmente de outros jovens como eu.

Depois disto, passei por várias organizações sociais de Salvador, me graduei em Psicologia e atualmente sou técnica do Instituto Aliança. Tudo que aprendi está impresso na minha forma de atuar e no meu coração”.

No caderno de Gustavo Nascimento, 15 anos, fórmulas matemáticas dividem espaço com anotações sobre horticultura e administração rural. E quando não está adquirindo novos conhecimentos teóricos, é no campo, com aulas práticas, que o seu aprendizado vem sendo fortalecido. A formação é oferecida pela Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN) com o curso de Formação Técnica em Agropecuária integrado ao Ensino Médio.

“Um dos diferenciais da escola é a visão empresarial para o futuro", explica Quionei Araújo, Diretor da unidade de ensino. Por isso, ele ressalta a importância de combinar a teoria, a prática e a visão de negócio, contextualizadas à realidade da zona rural, e, sobretudo, potencializar os valores sociais e ambientais. “Estou conseguindo enxergar a agricultura, que é a base da minha família, com uma visão diferente. É um ensinamento muito bom, que já está fazendo a diferença na minha vida”, conta o estudante, filho de pequenos produtores da comunidade de Nova Esperança, em Wenceslau Guimarães (BA).

Com o incentivo da Casa Familiar e de projetos como o de Formação de Adolescentes Futuros Empresários Rurais, apoiado via Programa Tributo ao Futuro, da Fundação Odebrecht, Gustavo já começa a assumir responsabilidades como agricultor. “Tenho o meu próprio projeto produtivo, onde posso aplicar o que aprendo e ainda gerar lucro, podendo reinvestir para próximas colheitas”, afirma. O adolescente planta banana-da-terra e mandioca em uma área de dois hectares. Segundo Araújo, a atividade estimula uma "cultura rural empreendedora, com foco na geração de trabalho e renda buscando dessa forma a permanência dos adolescentes no campo e o desenvolvimento local e regional sustentável”.

A CFR-PTN é apoiada pela Fundação Odebrecht através do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade (PDCIS). A atuação está concentrada em 11 municípios com baixo Índice de Desenvolvimento Humano, onde vivem 285 mil pessoas.

Newsletter
Receba nossas novidades
Basta informar seu nome e melhor e-mail.
preload
2018 - 2020. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital