Apoie Nossa Causa

Conheça histórias de jovens protagonistas que participaram de projetos apoiados pela Fundação Odebrecht ao longo dos seus mais de 50 anos.
Sandro Assunção
Sandro Assunção
Cada um pode escrever a sua história

A vontade de permanecer no campo e contribuir para o desenvolvimento de sua família e da comunidade onde vive é o que move Sandro Assunção. Morador de Itiúba, distrito do município baiano de Taperoá, o jovem de 17 anos diz que sua visão mudou quando ingressou na Casa Familiar Agroflorestal (Cfaf), onde cursa o Ensino Médio aliado à habilitação técnica em Sistemas Agroflorestais. “Com o que estou aprendendo, quero colaborar com a mudança da realidade local, me tornando um agente de desenvolvimento do futuro”, conta.

O jovem ressalta seu amadurecimento pessoal e profissional, ao longo dos três anos de formação que está completando na Cfaf, e acredita que o reconhecimento da comunidade é essencial. ”A partir do momento em que difundimos o conhecimento, o agricultor passa a nos admirar e ver que realmente queremos colaborar com todos”.

Filho de agricultores, sua formação propicia melhorias e boas práticas na propriedade onde vive com sua família, além de contribuir com o progresso dos demais moradores. “Com o crescimento da agricultura local, mais jovens vão permanecer no campo. Temos muito a aprender com os produtores mais experientes e muito para oferecer também”, avalia.

Uma das técnicas difundidas e aplicadas por Sandro em sua propriedade é a Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS), tecnologia social desenvolvida pela Fundação Banco do Brasil, que promove uma agricultura sustentável e alimentação saudável para as famílias rurais. A produção tem como foco a horticultura, que tem seus produtos comercializados, contribuindo para ampliar a renda de produtores. ”As técnicas que aprendemos durante as alternâncias na Cfaf melhoram a produtividade no campo. Além disso, os agricultores da comunidade ficam alegres e satisfeitos quando a gente chega com novas experiências e repassa o que aprendemos”, ressalta.

Sandro também se preocupa com o meio ambiente. Um exemplo disso foi a mobilização que promoveu em seu município, para preservar um riacho local, que estava quase secando. “Utilizei o diálogo para explicar a importância de manter as nascentes vivas, demonstrando na teoria como é possível plantar sem destruir a natureza e conservando as águas”, conta.

Daqui para frente, o jovem quer continuar trabalhando junto com a comunidade e prosseguir nos estudos. “Antes eu pensava como muitos jovens, que querem se formar e sair do campo, mas hoje sei que não quero mais fugir da minha realidade, mas transformá-la. Quero viver de forma tranquila e sustentável no lugar onde nasci”, finaliza.

Conheça a história de outros jovens apoiados

No boletim escolar, excelentes notas. Na produção de cacau que cultiva junto com a mãe, tudo que aprende em sala de aula é posto em prática, a exemplo de um método de plantio que alia o aumento da produtividade com a conservação dos recursos naturais. Carolaine dos Santos, 17 anos, ingressou em 2017 na Casa Familiar Rural de Igrapiúna (CFR-I), no curso de Educação Profissional Técnica em Agronegócio integrado ao Ensino Médio, e já mostra que está a poucos passos de se tornar uma jovem empresária rural, líder em sua comunidade, do Varjão, em Camamu (BA).

“Meu sonho é ser uma grande produtora na minha região. Por isso, quero fazer tudo certo desde o início, com a utilização das técnicas apropriadas”, afirma a jovem. Carolaine aprendeu que por meio do plantio de diversas culturas em uma mesma área, o chamado Sistema Agroflorestal, os riscos de degradação da atividade agrícola seriam minimizados, otimizando os resultados. Além do cacau, passou a plantar banana-da-terra, seringueira, cravo e guaraná. “A ideia é que nossa área se pareça ao máximo com uma floresta, com muitas variedades de cultivos. Com a renda da colheita que for finalizada primeiro, podemos financiar as demais”, explica.

Junto com a visão de negócio, a vontade de conservar o meio ambiente a fez montar uma pequena associação em sua comunidade, com colegas da CFR-I, para discussão sobre melhorias na agricultura com respeito aos recursos naturais. “Quando começamos a conhecer formas de adubação e de cuidados com os plantios, resolvemos nos unir para entender de que forma podíamos influenciar agricultores a parar de usar agrotóxicos”, exalta. Na sua área, ela já deixou de usar componentes químicos e pretende fazer cursos sobre técnicas naturais de fertilizar a terra, como a biocalda.

Para a Assessora Pedagógica da CFR-I, Tailã Mendes, a adolescente, além de aluna exemplar, já é uma referência de liderança para os produtores da sua comunidade. “Desde a primeira semana de aulas, ela se destacava pela vontade em crescer no campo e pela facilidade em assimilar os conteúdos teóricos. Todos, monitores e estudantes, estão aprendendo muito com ela também”, disse. Carolaine ainda levará dois anos para a formação como Técnica em Agronegócio, mas sabe que seu futuro está sendo construído desde agora. “Não vou parar de estudar nunca. Farei de tudo para que minha comunidade cresça comigo”, completou.

Ao tomar uma decisão, espera-se sempre acertar. Mesmo se não der certo, o importante é o aprendizado. Afinal, somente ao tentar é que será possível conhecer o resultado. Benivaldo dos Santos, 24 anos, seguiu esse caminho. Resolveu ingressar, em 2008, na Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN) e mudou a sua história. Assim, deixou para trás a ideia de migrar para um centro urbano.

“Não quero sair da região. Tenho um laço de confiança com a minha comunidade. Eles acreditam em mim. Não tinha sonhos e nesses últimos anos conquistei muitas coisas, é gratificante”, ressalta o jovem, que mora na comunidade Ouro Preto, localizada no município baiano de Presidente Tancredo Neves.

Durante sua passagem pela CFR-PTN, Benivaldo desenvolveu três projetos educativos produtivos: dois de plantação de banana e um de maracujá. O primeiro não deu certo por conta de uma seca que atingiu a região, mas o sucesso dos seguintes o compensou. “Meu segundo projeto foi eleito um dos dez melhores da turma, por conta da produtividade. Com o de maracujá, virei referência na comunidade. Hoje sou responsável pela aula prática dos atuais educandos da CFR-PTN sobre esse tema”, conta.

Com o fim da formação, em 2010, o jovem deu continuidade aos cultivos e tornou-se Líder de Produção Vegetal da Fazenda Novo Horizonte, onde estão localizadas a CFR-PTN e a Cooperativa dos Produtores Rurais de Presidente Tancredo Neves (Coopatan), da qual é associado há um ano. "A Coopatan garante o destino certo para a minha produção. Assim, tenho um maior retorno financeiro", destaca. A Coopatan e também a CFR-PTN integram o Programa de Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Mosaico de Áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDIS), apoiado pela Fundação Odebrecht.

Benivaldo não se arrepende das decisões que tomou. Com trabalho e dedicação conseguiu multiplicar sua renda. “Prestava serviço como diarista e ganhava R$100 por mês. Agora chego a receber R$1.400”. Para o futuro, faz planos de comprar 10 hectares de terra para sua família e, após torná-la produtiva, ingressar na faculdade para cursar Agronomia. “Estou seguindo a minha vocação. As escolhas que fiz mudaram minha vida. Sou feliz porque tenho a minha roça e projetos que estão dando certo”, garante.

Newsletter
Receba nossas novidades
Basta informar seu nome e melhor e-mail.
preload
2018 - 2020. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital