Apoie Nossa Causa

Conheça histórias de jovens protagonistas que participaram de projetos apoiados pela Fundação Odebrecht ao longo dos seus mais de 50 anos.
Bruno Santos
Bruno Santos
Vi uma forma de poder continuar trabalhando no campo

Na comunidade de Ouro Preto, no município baiano de Presidente Tancredo Neves, Bruno Santos mora com os pais e cinco irmãos. Aos 15 anos, ele tem se transformado a partir da educação. “Na minha escola, vi uma forma de poder continuar trabalhando no campo, que é o que gosto”, conta.

O interesse de Bruno é na produção agrícola. “Meu sonho é me formar em técnico em Agropecuária e viver na zona rural. Vou estudar cada vez mais e me empenhar completamente na agricultura”. Na propriedade da família, cultiva cacau, mandioca, aipim e banana. Tem como vontade se associar a uma cooperativa para, assim, garantir um preço de mercado melhor para o que produz.

A idade, segundo Bruno, não é um problema: o jovem já se vê como um empresário rural. Para ele, é importante buscar a qualidade dos seus cultivos e, também, compartilhar o que estuda. “O que ele aprende na escola, passa para a gente”, diz seu pai, Antonio. Bruno conta que envolve ainda a comunidade nessa rede pelo desenvolvimento. “É uma forma de dividirmos o que aprendemos e incentivá-los”.
 

Conheça a história de outros jovens apoiados

Natural do município de Piraí do Norte (BA), Érica Gonçalves Nascimento tem 21 anos. Aos 18, completou sua formação como Técnica em Florestas pela Casa Familiar Agroflorestal (Cfaf), uma das instituições apoiadas pela Fundação Odebrecht através do Programa PDCIS. “Desde que entrei na Casa Familiar, mudei minha perspectiva de vida. Cada experiência foi um aprendizado e ainda hoje sou beneficiada por todo o conhecimento adquirido”, declarou a jovem.

Segundo Érica, a unidade de ensino foi uma oportunidade para aflorar o seu espírito de liderança e senso crítico. “A Cfaf me proporcionou tanto a parte técnica como a parte humana, com a comunicação interpessoal. E quando este relacionamento é harmonioso, contributivo, espontâneo, gera-se satisfação e progresso”, afirmou.

Sobre o protagonismo juvenil - decisão de fazer com o jovem e não para o jovem, entendendo-o como parte da solução e não como problema, ela é enfática: “Para mim, o jovem protagonista é aquele que se compromete em querer fazer a diferença em seu meio”. Com essa percepção e apostando na agricultura, Érica foi mudando a realidade da sua família. “Ao acreditar que seu projeto produtivo é o seu negócio, sua área de produção cresce, a renda aumenta e o sucesso é garantido”, completou.

Em 2013, ano de sua formação na Cfaf, a jovem foi uma das vencedoras do Prêmio PDCIS de Fotografia, realizado pela Fundação Odebrecht, que mobilizou estudantes das instituições ligadas ao Programa PDCIS. Érica representou o seu orgulho em viver no campo com a imagem de uma lavoura de cacau. “A arte no campo é semear, plantar, produzir e colher. São ações como esta que fazem com que os agricultores da região gerem a renda familiar”, disse na época.

De pai para filho, de irmão para irmão. Na casa de Seu José Santana, localizada em Ituberá (BA), o cultivo de tilápia está passando pelas gerações e sendo trabalhada com o apoio de todos da família. Associado à Cooperativa dos Aquicultores de Águas Continentais (Coopecon) desde 2013, o agricultor vê com felicidade o rumo que os filhos estão tomando na aquicultura.

Josiel Santana, 18 anos, formou-se no ano passado na Casa Familiar das Águas (CFA) e implantou, com o apoio do Programa Tributo ao Futuro, da Fundação Odebrecht, um Projeto Educativo-Produtivo (PEP) de tilápia na propriedade. Os jovens apoiados recebem alevinos (filhotes de peixe recém saídos do ovo), ração e a adubação necessária para a atividade.

Edicarlos Santana, 16 anos, está seguindo o mesmo caminho – ele é aluno do Curso de Qualificação em Aquicultura da CFA. Após a despesca do irmão, o jovem agora é beneficiado com o PEP e já começa a sua produção, que será comercializada pela Coopecon. “Primeiro foi o meu pai que virou cooperado e começou a cultivar a tilápia. Depois, com o meu irmão no mesmo rumo, senti que poderia ajudar também”, afirmou Edicarlos.

Aluno do 8º ano do ensino fundamental do Colégio Casa Jovem, instituição que, assim como a Coopecon e a CFA, faz parte do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade (PDCIS), Edicarlos acredita que o curso na CFA está ajudando na sua formação e é um complemento importante para o seu desenvolvimento na zona rural. “Aprendo sobre empresariamento, estudo da água e biologia dos peixes. Além disso, o convívio com outras realidades agrega para viver melhor em comunidade”, afirmou.

Atualmente, a turma em formação da CFA conta com 24 jovens, de 10 comunidades, distribuídas em cinco municípios do Baixo Sul da Bahia. Educando jovens para a vida cidadã e produtiva, integra de forma sinérgica ações focadas no desenvolvimento de novos empresários aquícolas. A formação, que dura um ano, aborda temas como Nutrição de Organismos Aquáticos, Tecnologia do Pescado, Cooperativismo e Associativismo, Gestão e Controle em Piscicultura dentre outros.

Acompanhe o emocionante depoimento da jovem educadora Valdiane Soares da Silva, 24 anos.

“Fiz a formação de Agente de Desenvolvimento Local – ADL, no período de 2000 a 2002, promovida pelo Serviço de Tecnologia Alternativa – SERTA, na Bacia do Goitá (PE). A iniciativa fazia parte do Programa Aliança com o Adolescente para o Desenvolvimento Sustentável do Nordeste.

Este programa marca minha vida até os dias atuais. Foi uma formação diferenciada, uma formação para a vida, como já dizia Paulo Freire “é preciso perceber a educação na perspectiva da libertação e da humanização de homens e mulheres”.

Então, falar da minha trajetória no Projeto Aliança e no SERTA é falar de história, ou melhor, é a resignificação da história. E como “... a história não deve ser pensada apenas como resgate do passado, mas sim utilizada como marco referencial a partir do qual as pessoas redescobrem valores e experiências. Reforçam vínculos presentes. Criam empatia com a trajetória e podem refletir sobre as expectativas dos planos futuros” (Karen Worcman).

Falando em história, as aprendizagens foram muitas: desenvolvimento pessoal, informática e comunicação, direito e cidadania, agricultura orgânica, juventudes e políticas públicas, entre outras, que não cabem numa folha de papel. O tempo passa, a gente cresce, amadurece e aí chegar à hora de sermos profissionais reconhecidos e valorizados na região, no município.

Hoje, sou referência onde chego, as pessoas me reconhecem e ainda dizem “ah, você tem um olhar crítico sobre o mundo, você é do SERTA”. Também tive a oportunidade de cursar universidade, fiz Letras, estou concluindo especialização em Leitura e Produção Textual. Sou educadora do SERTA, coordeno o setor de Monitoramento e Avaliação. Enfim, o Projeto Aliança faz parte da minha história e se eu cheguei até aqui foi porque alguém acreditou e investiu em mim. Obrigada por tudo!”

Newsletter
Receba nossas novidades
Basta informar seu nome e melhor e-mail.
preload
2018 - 2020. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital