Apoie Nossa Causa

Conheça histórias de jovens protagonistas que participaram de projetos apoiados pela Fundação Odebrecht ao longo dos seus mais de 50 anos.
José Marcos Santos
José Marcos Santos
Estou aprendendo a ser um cidadão melhor

O sorriso de José Marcos Santos é largo. Na propriedade onde mora com o pai, Josenilton Santos, localizada no alto de uma colina no município de Igrapiúna, no Baixo Sul baiano, o jovem vem se desenvolvendo enquanto agricultor. “Aqui, cultivamos bastante coisa. De tudo um pouquinho tem”, diz, listando as produções de cacau, banana, mandioca e cravo.

Sob o olhar do pai, um misto de orgulho e admiração, José Marcos deixa claro que, para ele, não basta guardar o que aprende para si. “Gosto de compartilhar com meus vizinhos. Sempre mostro a eles novas técnicas de adubação”, exemplifica o jovem.

Sentado à frente da casa de madeira onde vive, ele fala da importância de ir atrás dos seus sonhos. “Estou aprendendo muita coisa sobre agricultura e, também, sobre como ser um cidadão melhor. Pretendo ter uma propriedade minha e continuar a ajudar as pessoas da minha comunidade. Quero ter meus negócios e ser um microempreendedor”, reforça.
 

Conheça a história de outros jovens apoiados

Morador da cidade de Maraú, Marcos Vinícius Santos, 27 anos, fez parte do Programa Aliança com o Adolescente pelo Desenvolvimento Sustentável no Nordeste, em 1999. Atualmente, é Turismólogo, professor concursado e faz parte do Conselho Municipal de Turismo, além de liderar o grupo de Jovens e Missionários da Igreja. Segundo Marcos, os conhecimentos que adquiriu durante sua passagem pela Aliança foram decisivos para se tornar quem é hoje.

Confira o depoimento deste jovem protagonista:

No primeiro contato com a equipe coordenadora, percebi que a proposta era rica e transformadora. A partir desse dia, tive a certeza de que não seria mais o mesmo. O conhecimento que o Programa Aliança com o Adolescente arraigou em nossas vidas foi e está sendo muito útil. Coloco-me na terceira pessoa, pois tenho contato com quase todos os jovens que participaram desta iniciativa. Precisávamos de uma orientação que nos desse suporte para externar nosso potencial de agentes protagonistas e foi exatamente o que encontramos.

Muitos estudos, viagens e oficinas foram realizadas. Nosso primeiro grande trabalho, o “Projeto Lixo no lugar Certo, Saúde para Maraú”, foi um sucesso. Conseguimos mobilizar todas as escolas da sede do município e cinco da zona rural com ações educativas.

Hoje, posso afirmar que faço a diferença na minha comunidade. Curso Geografia, sou professor concursado e faço parte do Conselho Municipal de Turismo, além de liderar o grupo de Jovens e Missionários na Igreja. Estou sempre engajado nas atividades culturais e sociais de Maraú. Acredito que a minha formação, enquanto cidadão, está sustentada em três bases: família, Programa Aliança com o Adolescente e Igreja.

Desde pequeno, Robenilson Jesus dos Santos, morador da comunidade do Pítia, município de Presidente Tancredo Neves (BA), gostava de ajudar o pai na agricultura. Aos 16 anos, quando ingressou na Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN), viu que poderia, efetivamente, contribuir com a sua família por meio do trabalho no campo. A unidade de ensino oferece o curso profissional técnico em agropecuária integrado ao Ensino Médio e faz parte do Pacto de Governança do Programa PDCIS, da Fundação Odebrecht.

Em 2013, no seu segundo ano de formação na CFR-PTN, o jovem foi um dos nove estudantes selecionados para o Programa Iniciação Científica Júnior, realizado por meio de uma parceria da instituição com a Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. “Ser pesquisador foi um grande incentivo para mim, pois com esse projeto pude identificar novas variedades de mandioca, mais resistentes. Isso serviu de estímulo para minha família e vizinhos continuarem plantando essa cultura”, acredita. Sua pesquisa teve duração de um ano e foi voltada para o controle da mosca branca na mandioca. “Na CFR-PTN também aprendi a forma correta de produzir aipim e banana-da-terra, por meio das aulas teóricas e práticas. No terceiro ano de formação, já tinha uma renda média mensal de R$ 1 mil e 9,7 hectares de plantação”, ressalta.

Foi então em 2014, seu último ano na Casa Familiar Rural, que Robenilson recebeu recursos do Fundo de Acesso à Terra (FAT) para adquirir 15 hectares de área para aumentar a sua produção. “Estou muito feliz por ter sido beneficiado ainda em formação”, comemora. Até então, apenas jovens empresários rurais já formados na Casa Familiar Rural tinham sido beneficiados com o FAT. Radiante com a oportunidade, Robenilson tornou-se associado da Coopatan e, com 20 anos, quer multiplicar seus conhecimentos e se tornar uma referência para sua comunidade. “Hoje penso no futuro com uma visão diferente. Tenho o desejo de manter minha propriedade rural sustentável como um exemplo e quero permanecer no campo com qualidade de vida”, diz.

Quando entrou na Casa Familiar Agroflorestal (Cfaf), em 2013, Patrícia Nascimento dos Santos, 17 anos, já pressentia que poderia transformar não só a própria realidade, mas a de pessoas da sua região em Nilo Peçanha, no Baixo Sul da Bahia. “Desde o momento em que ingressei na Cfaf fui me tornando cada vez mais consciente do meu papel enquanto cidadã”, diz.

No seu primeiro ano de formação na instituição, que faz parte do Pacto de Governança do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade (PDCIS), da Fundação Odebrecht, ela e sete colegas idealizarem o Projeto Protagonismo Juvenil – PPJ. A iniciativa promove a conscientização ambiental por meio de palestras, seminários e reflorestamento de áreas degradadas de forma voluntária.

Com o apoio de parceiros, como a Prefeitura local e uma emissora de rádio, o grupo já realizou, em três anos, a limpeza de rios e envolveu milhares de pessoas em prol das ações de conscientização e conservação do meio ambiente. “Queremos contribuir com a nossa região e poder disseminar os conhecimentos adquiridos na Cfaf. A Instituição é para mim uma porta que se abre cheia de oportunidades a serem conquistadas e repassadas”, afirma.

Já formada, Patrícia espera ser reconhecida como um exemplo de protagonismo e pretende continuar desenvolvendo as ações do PPJ nas comunidades. Junto à família, ela tem o desejo de ampliar seus projetos produtivos, sempre de forma sustentável. “Quero continuar estudando e, por meio do meu conhecimento e exemplo, contribuir para transformar outras realidades na zona rural”.

Newsletter
Receba nossas novidades
Basta informar seu nome e melhor e-mail.
preload
2018 - 2020. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital