Apoie Nossa Causa

Conheça histórias de jovens protagonistas que participaram de projetos apoiados pela Fundação Odebrecht ao longo dos seus mais de 50 anos.
Mairí dos Santos
Mairí dos Santos
Podemos escolher permanecer no campo

Na mesa da cozinha, suco de graviola, aipim recentemente cozido, um bolo caseiro e pasteis de carne eram oferecidos por Maria Inês dos Santos. Orgulhosa, a mãe de Mairí dos Santos conta que boa parte dos quitutes foram preparados com o que a família cultiva na propriedade, localizada no município baiano de Presidente Tancredo Neves.

A jovem Mairí, de 16 anos, fala do seu desejo de aprender a melhor maneira de trabalhar no campo. “Meu sonho é ser uma engenheira agrônoma. Quero trazer mais informações para minha família e para a comunidade, ajudar a melhorar a qualidade de quem mora aqui”, conta. Ao lado dos pais e dos cinco irmãos, cultiva produtos como cacau, mandioca, aipim, banana, urucum, goiaba e cupuaçu.

O seu produto preferido para plantio é a banana. A menina diz que foi uma das frutas que sempre ajudou os pais a cultivar. Hoje, ela leva para a família novos manejos para esse e as demais culturas da propriedade. Para Mairí, ter acesso à um bom ensino faz a diferença em sua vida. “Podemos escolher permanecer no campo”, salienta.
 

Conheça a história de outros jovens apoiados

Por meio das Casas Familiares que fazem parte do Programa PDCIS, a Fundação Odebrecht vem apostando em uma nova geração de jovens agricultores, influenciada pelo conhecimento contextualizado colocado a sua disposição. São adolescentes como Jemima Oliveira Dias, de 15 anos, aluna da Casa Familiar Rural de Igrapiúna (CFR-I). Em seu segundo ano de formação, ela já está integrada aos processos produtivos da família e leva novas tecnologias à comunidade do Conduru, em Camamu (BA), onde reside. 

“Sou a primeira da minha região a estudar em uma escola rural. Quis agarrar essa oportunidade por saber que podia levar conhecimento para lá”, afirmou Jemima. Desde o primeiro ano na CFR-I, a adolescente participa mais ativamente da vida da comunidade por meio de Seminários Rurais. Tratam-se de palestras sobre temas relacionados a produção no campo que proporcionam a diversas famílias orientações para melhorar o rendimento dos cultivos. Em 2015, 280 Seminários Rurais foram realizados por alunos de Casas Familiares, impactando diretamente mais de 8.100 pessoas.

Na propriedade da família, que possui cultivos de cacau, dendê, palmito de pupunha, cravo e guaraná, essa transferência de novos aprendizados por Jemima é também colocada em prática. A CFR-I adota a Pedagogia da Alternância, onde os jovens passam sete dias em período integral na instituição de ensino, com aulas na sala e no campo, e 15 em suas propriedades, aplicando os conhecimentos, sob o acompanhamento e a orientação de monitores especializados. “É um ensino diferente de tudo que já tive. Aprendi como fazer a poda de cacau, por exemplo, e ajudar o meu pai na roça. Consigo ver a forma correta de plantar e sei que isso irá fazer toda a diferença nos nossos resultados”, disse.

Mesmo ainda na metade da formação como Técnica em Agronegócio, a adolescente pretende repassar cada vez mais experiências em prol do desenvolvimento da região. “No futuro penso em ser agrônoma e crescer junto com minha família e vizinhos. A CFR-I está abrindo essa porta para que eu atinja os meus objetivos’, completou.

O maior orgulho de Daniela Guedes, 19 anos, é ser agricultora e viver no campo ao lado de sua família. Moradora da comunidade de Gendiba, localizada no município de Presidente Tancredo Neves (BA), ela acaba de finalizar o curso técnico em agropecuária e, junto com seus pais e irmãos, cultiva mandioca, banana e cacau.

Daniela conta que sua vida se transformou desde que ingressou na Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN). A instituição está ligada ao Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de Áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDCIS), fomentado pela Fundação Odebrecht e parceiros públicos e privados.

O objetivo é oferecer educação profissional de qualidade a jovens, estimulando a permanência no campo e na agricultura familiar como empresários rurais e cooperados. “Eu não tinha perspectivas para o futuro, mas tudo começou a mudar quando fui aprovada no processo seletivo”. Daniela conta que sua intenção era adquirir novos aprendizados e colaborar com o desenvolvimento de sua família. “Sempre vi meus pais trabalhando muito e tendo pouco retorno, por isso me sentia desestimulada. A CFR-PTN mudou minha visão e me fez perceber a importância e o potencial da agricultura”. Todas as técnicas de plantio e cultivo que ela aprendeu na instituição de ensino foram repassadas em sua casa e, com isso, seus pais começaram a produzir mais gastando menos.

A jovem foi a maior incentivadora da mãe, dona Valdelice Maria de Jesus, que se associou à Cooperativa de Produtores Rurais de Presidente Tancredo Neves (Coopatan), e tem conseguido produzir melhor, alcançando grandes resultados. “Nossa renda mensal era de pouco mais de um salário mínimo e, atualmente chega a R$ 2.500”, conta Valdelice.

As conquistas despertaram em Daniela o sonho de adquirir a própria terra. “Me orgulho em viver na zona rural e quero continuar trabalhando com e para a minha família”, diz.

Toda família está juntando parte da renda para aquisição de uma propriedade. “O trabalho tem a capacidade de mudar a história de todos e é ele que tem contribuído com nosso crescimento”, finaliza Valdelice.

Newsletter
Receba nossas novidades
Basta informar seu nome e melhor e-mail.
preload
2018 - 2020. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital