Comunicação

08h19

Dicas para uma alimentação saudável

Saiba mais sobre o palmito de pupunha Cultiverde e descubra como ele pode fazer parte de uma dieta equilibrada

Compartilhe
Tamanho do texto

Uma refeição balanceada, rica em fibras, minerais, vitamina C, proteínas e com baixo nível de gordura. Todos esses benefícios em um só alimento: o palmito de pupunha. Tradicionalmente pouco conhecido na mesa dos brasileiros, o ingrediente começa a ganhar espaço no preparo de saladas e petiscos, além de tortas, pizzas e pastéis.


Palmito Cultiverde é produzido pela Coopalm no Baixo Sul da Bahia

A nutricionista Andrea Calazans esclarece que uma porção de 100g de palmito, geralmente, apresenta os seguintes valores nutricionais: 23 Kcal, 4,3 g de carboidratos, 1,8 g de proteínas e 3,2 g de fibra alimentar. “O palmito é recomendado em dietas com restrição calórica, atuando no sistema imunológico. Quando consumido em moderação, ajuda a diminuir a retenção de líquidos. O potássio existente nele auxilia no controle da pressão arterial”, diz.

Os tipos de palmitos mais comuns são: açaí, juçara e pupunha. Os dois primeiros tem sabor mais forte e são mais fibrosos, sendo o terceiro mais macio e suave. O tipo pupunha começou a ser comercializado na década de 1990 e é considerado um dos mais ecologicamente corretos. “Uma das diferenças é que ele é uma das espécies cultivadas das plantas. A  juçara nasce de uma semente constituindo um único tronco e a açaí por palmeiras. Dessa forma, ao extrair o palmito, a palmeira é sacrificada, enquanto a espécie pupunha brota do tronco principal”, esclarece Hernán del Alcázar, Líder do Setor Primário da Coopalm.

Um dos produtores baianos é a Cooperativa dos Produtores de Palmito do Baixo Sul da Bahia (Coopalm), responsável pelo produto Cultiverde, comercializado em grandes redes de supermercados em todo o País. Com novos tratos culturais introduzidos à produção de palmito na região, os cooperados utilizam uma tecnologia originária do Equador e da Costa Rica, adaptada às características locais.


Cooperativa contribui com a geração de trabalho e renda, orientando agricultores familiares

A indústria tem seus processos certificados nas normas ISO 9001 (Gestão da Qualidade), ISO 14001 (Gestão Ambiental), FSSC 22000 (Segurança do Alimento), além do selo de Agricultura Familiar (Federal e Estadual), que auxilia o consumidor a identificar iniciativas de origem responsável.

Sobre a Coopalm

Criada em 2004, a Coopalm gera trabalho e renda, orientando técnica e financeiramente os agricultores familiares que cultivam palmito de pupunha no Baixo Sul da Bahia. As hastes entregues à Cooperativa são beneficiadas e envasadas, agregando valor aos cultivos de seus associados.

A Cooperativa é uma das instituições apoiadas pela Fundação Odebrecht e parceiros públicos e privados, por meio do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de Áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDCIS).

Clique aqui e aprenda uma deliciosa e saudável receita de torta de palmito.

Receba nossas novidades:
Basta informar seu nome e melhor e-mail!
preload
2018 - 2019. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital