Comunicação

17h22

Conteúdo especial: protagonismo para o futuro

Em 2018, Fundação Odebrecht comemora os 30 anos de escolha da sua missão de educar. Confira, na última parte do especial, projetos que fizeram parte dessa trajetória

Compartilhe
Tamanho do texto

Em 1988, pautada por um cenário no qual era preciso pensar em políticas de incentivo aos jovens, a Fundação Odebrecht define esse público como foco de sua atuação e escolhe a missão de Educar para Vida, pelo Trabalho, para Valores e superação de Limites.

“Eles [os jovens] querem se inserir com dignidade nos mundos do trabalho e da cidadania e querem formar famílias produtivas e felizes. é um sonho que poucos têm tido condições de alcançar, já que o nosso país não tem levado em conta as enormes carências do meio rural, especialmente no tocante à educação e à saúde”, afirmou Norberto Odebrecht, idealizador da Fundação, à edição de janeiro/fevereiro de 2006 da Revista Odebrecht Informa.

Em 2018, a Fundação comemora os 30 anos dessa mudança estruturante em sua trajetória. Confira a terceira e última parte do especial que relembra marcos importantes da instituição em seu trabalho com a juventude.

Viver no campo com qualidade de vida

Entre os anos de 1999 e 2004, a Fundação Odebrecht, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Instituto Ayrton Senna e a Fundação Kellogg uniram forças para instituir a Aliança com o Adolescente pelo Desenvolvimento Sustentável no Nordeste Brasileiro. O programa era centrado em três microrregiões da Bahia, Ceará e Pernambuco (Baixo Sul, Médio Jaguaribe e Bacia do Goitacá, respectivamente) e atuava com jovens de 14 a 19 anos, visando a educação para o futuro, com enfoque no crescimento dos beneficiários.


Programa Aliança com o Adolescente tinha como foco a educação de jovens do Nordeste

O objetivo da ação era ampliar o capital humano, produtivo e social dessas comunidades, oferecendo oportunidades para que os jovens não fossem obrigados a deixar suas regiões de origem em busca de qualidade de vida e trabalho. Rita de Cássia Clares foi uma das beneficiárias e trabalhou em um projeto de piscicultura junto com outros jovens do Ceará. “Iniciei na Aliança ainda nas suas primeiras ações de mobilização social, mais precisamente em outubro de 1999. A princípio, como a maioria dos adolescentes, não sabia ao certo o que me esperava, mas sempre tive muito interesse em participar de projetos que promovessem o meu progresso pessoal e, por isso, entrei de corpo e alma nas atividades”, afirmou Rita em entrevista ao site da Fundação Odebrecht em janeiro de 2009.

Evoluindo o trabalho realizado pelo Aliança, a Fundação criou, em 2003, o Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade (PDCIS), definindo o Baixo Sul da Bahia, região que contrasta rica biodiversidade com cenários de pobreza e violência, como sua área geográfica de atuação, tendo o jovem como principal beneficiário e agente de transformação. é no Baixo Sul que a Fundação Odebrecht atua até hoje, apoiando, por meio do PDCIS, cinco instituições: Casa Familiar Agroflorestal (Cfaf), Casa Familiar Rural de Igrapiúna (CFR-I), Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN), Organização de Conservação da Terra (OCT) e Cooperativa de Produtores Rurais de Presidente Tancredo Neves (Coopatan).


Trabalho da Fundação, hoje, é centrado no Baixo Sul da Bahia, com foco no desenvolvimento territorial sustentável

Estimulando a formação de lideranças e o protagonismo juvenil, a Fundação segue buscando contribuir para que jovens possam viver no campo, ao lado de suas famílias, com qualidade de vida. Arilma Hungria, aluna do 3º ano da CFR-PTN, é um exemplo dessa atuação com foco na formação para a vida. “Eu estudo em uma escola que oferece recursos e conhecimentos que colaboram para a promoção de uma educação integrada e diferenciada. Hoje, graças aos conhecimentos adquiridos, consigo enxergar um futuro melhor, na zona rural, para mim e para minha família”, afirma Arilma.

 


Entenda mais sobre o Protagonismo Juvenil, filosofia formativa que a Fundação Odebrecht ajudou a criar e que hoje é um patrimônio do terceiro setor.

Conheça abaixo duas publicações ainda disponíveis no circuito comercial que ampliam o debate sobre o tema:

Aprendendo a Ser e a Conviver (Margarida Serrão e Maria Clarice Baleeiro) – 1999

Protagonismo Juvenil: Adolescência, Educação e Participação Democrática (Antônio Carlos Gomes da Costa e Maria Adenil Vieira) – 2006


 

Acompanhe mais ações realizadas pela Fundação Odebrecht e as instituições apoiadas em nossos canais sociais (Facebook, Instagram, LinkedIn e YouTube) e confira mais histórias de protagonismo juvenil em nosso site.

Receba nossas novidades:
Basta informar seu nome e melhor e-mail!
preload
2018 - 2019. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital