09h31

Ministra Matilde Ribeiro visita a Fundação Odebrecht

Acompanhada por Leci Brandão, Matilde Ribeiro, ministra da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, visitou a Fundação Odebrecht.

Compartilhe
Tamanho do texto

Participando da II Conferência dos Intelectuais da África e da Diáspora (II CIAD), a ministra da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, aproveitou sua passagem por Salvador para conhecer a Fundação Odebrecht, no dia 14 de julho.

A ministra foi recepcionada com música pelos jovens da Casa Cultural da Floresta e recebida por Norberto Odebrecht, Presidente do Conselho de Curadores da Fundação e Presidente de Honra da Odebrecht S.A, Maurício Medeiros, Presidente Executivo da Fundação Odebrecht e Marcelo Walter, Diretor Executivo do Insituto de Desenvolvimento Sustentável do Baixo Sul da Bahia (Ides).

“Atualmente temos mais de 2500 quilombos identificados e catalogados no Brasil. É missão do atual governo criar políticas eficazes para as questões raciais”, disse Matilde Ribeiro, que veio acompanhada pela sambista, compositora e atual membro do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial, Leci Brandão, o rapper Marcão, integrante da banda de hip-hop DMN, o sub-secretetário de Planejamento e Elaboração de Projetos da Secretaria da Igualdade Racial, Antonio Pinto, e o Secretário de Reparações da Prefeitura de Salvador, Gilmar Santiago.

Durante o encontro, Maurício Medeiros explicou que a missão da Fundação é criar oportunidades para os jovens garantirem um futuro melhor. “Em parceria com os governos federal, estadual e municipais, nosso objetivo é chegar a um modelo e reaplicá-lo em outras regiões”, ressaltou. Medeiros entregou à ministra um exemplar do Caderno 40 Propostas para o Desenvolvimento Social do Brasil, pedindo suas contribuições por meio de uma análise crítica do documento.

“Não sou uma militante. Sou uma passante pela vida com a única missão de doar”. Com esta frase, Leci Brandão definiu seu trabalho no Conselho, que classificou como difícil pelos problemas que busca solucionar. “Pela música, procuro passar a minha mensagem, lembrar aos negros suas origens e que eles devem lutar por seus direitos”, concluiu.

 

Receba nossas novidades:
Basta informar seu nome e melhor e-mail!
2018 - 2019. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital