11h29

Edição 126 - A Basílica de portas abertas

Depois de 11 meses fechada para reforma e restauro, a Basílica Arquiabacial de São Sebastião do Mosteiro de São Bento da Bahia é reaberta.

Compartilhe
Tamanho do texto
Celebração religiosa na abertura da Basílica

Texto: Vivian Barbosa


Fotos: Almir Bindilatti

No dia de São Bento, 11 de julho, uma missa solene marcou a reabertura da Basílica Arquiabacial de São Sebastião do Mosteiro de São Bento da Bahia, após 11 meses fechada para reforma e restauro. A solenidade também deu início ao jubileu pelos 425 anos de fundação do Mosteiro, o primeiro construído nas Américas.

Realizada com o patrocínio do Bradesco, por meio da Lei Rouanet de incentivo à cultura, em parceria com a ROHR e a Braskem, a obra teve a supervisão do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e administração e execução da BV Engenharia. O Programa de Obras Sociais da Construtora Norberto Odebrecht, com apoio institucional da Fundação Odebrecht, liderou o projeto, tendo como engenheiro responsável Luis Carlos Ventura e a coordenação de Dom Gregório Paixão, Bispo Auxiliar da Arquidiocese do Salvador.

“A primeira reforma, em 1994, foi realizada em parceria entre o Governo da Bahia e a Construtora Norberto Odebrecht. Doze anos depois, temos uma nova restauração, decorrente do trabalho de construção de parcerias, pois elas agregam valores e enriquecem a troca de experiências”, observa Dom Emanuel D’Able do Amaral, Arquiabade do Mosteiro. Durante a missa, ele fez um agradecimento especial ao amigo Norberto Odebrecht, Presidente do Conselho de Curadores da Fundação Odebrecht e Presidente de Honra da Odebrecht S.A.

Retornaram ao Altar-Mor seis imagens esculpidas em mármore de Carrara, de escultores italianos do século XIX, retiradas há 22 anos. Cada uma pesa, em média, 3 t. Três delas representam as virtudes teológicas (esperança, caridade e fé) e três são imagens de São Sebastião (padroeiro do Mosteiro), São Bento e Santa Escolástica (fundadores da Ordem Beneditina). Com relevo no mesmo padrão do altar, as estalas – construídas na década de 30 pelo monge beneditino alemão Irmão Lamberto – foram recolocadas. Foi reposto ainda o gradil de mármore, com duas esculturas representando anjos porteiros, o qual fazia parte do conjunto original do Altar, retirado na década de 50. O trabalho incluiu o restauro das cantarias do transepto e a pintura de toda a Basílica.

Estiveram presentes ao ato solene o Governador da Bahia, Paulo Souto, e a Primeira-Dama, Isabel Souto; diretores do Bradesco; representantes dos parceiros no empreendimento e da comunidade católica de Salvador, além de autoridades e integrantes da Odebrecht S.A e da Fundação Odebrecht.


Acesse aqui

Edição 126 - A Basílica de portas abertas
Receba nossas novidades:
Basta informar seu nome e melhor e-mail!
2018 - 2019. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital