10h49

A união faz a diferença

Pai e filho compartilham o amor pela agricultura. Juntos, começaram a trabalhar no cultivo de pupunha e estão reescrevendo a história da família

Compartilhe
Tamanho do texto

Antonio Nascimento Santos e Antonio Nascimento Santos Filho não têm em comum apenas o nome. Pai e filho dividem também o amor pelo trabalho na terra. “Agricultura é a minha vida. É o meu negócio”, garante o jovem de 19 anos. Moradores do assentamento Margarida Alves, localizado no município de Ituberá (BA), estes produtores rurais estão reescrevendo a história da família.

Foi em 2009 que tudo começou a mudar. Antonio Filho ingressou na Casa Familiar Rural de Igrapiúna (CFR-I) e agora está concluindo a formação de três anos. Durante esse período, teve acesso a temas como administração rural, solos, culturas perenes e beneficiamento de produtos de origens animal e vegetal, além de noções sobre cooperativismo, educação ambiental e protagonismo juvenil. “A passagem pela CFR-I trouxe uma nova perspectiva de vida e alterou o meu olhar em relação à agricultura e às oportunidades do campo”, destaca o jovem.

Já seu pai, nesse mesmo ano, associou-se à Cooperativa dos Produtores de Palmito do Baixo Sul da Bahia (Coopalm) e desde então desenvolve o plantio de palmito de pupunha. “Plantamos, colhemos e a cooperativa comercializa. Temos o retorno do nosso trabalho, nos sentimos donos e mais fortes, pois não estamos sozinhos. A união faz a diferença”, assegura o agricultor. Assim como a CFR-I, a Coopalm é uma instituição ligada ao Programa de Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Mosaico de APAs do Baixo Sul da Bahia (PDIS), apoiado pela Fundação Odebrecht.

Pai e filho começaram então a trabalhar juntos no cultivo de pupunha. Aos poucos, o jovem introduziu as novas técnicas de plantio aprendidas, contribuindo para ampliar a produtividade da família. “Meu pai nos criou com o que aprendeu com meu avô. Agora estou tendo a oportunidade de lhe ensinar muitas coisas. Somos grandes parceiros”, conta o mais novo dos três filhos de Santos, que não é o único produtor da família. Seu irmão mais velho sempre trabalhou no campo e hoje é dono de uma propriedade.

Antonio Filho segue o mesmo caminho do irmão. Com apoio da Coopalm, implantou um hectare e meio de pupunha e agora também cuida do próprio cultivo. O novo empresário rural se associará à cooperativa no fim de 2011, quando entregará sua primeira colheita. “Agora quero ampliar minha propriedade, buscando sempre aplicar os conhecimentos que venho adquirindo na CFR-I”, reforça. Seu pai aposta nesse caminho: “Fico muito feliz em ter meus filhos trabalhando na terra. É do campo que a gente consegue tudo”.

Newsletter
Quer apoiar nossa causa?
Cadastre nome e e-mail e aguarde nosso contato.
preload
2018 - 2019. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital