17h17

“Me orgulho em viver na zona rural e ser agricultora”

A jovem Daniela Guedes conta como os conhecimentos adquiridos mudaram o rumo de sua trajetória e têm melhorado a renda de sua família

Compartilhe
Tamanho do texto


Daniela se formou na CFR-PTN e quer crescer na agricultura 

O maior orgulho de Daniela Guedes, 19 anos, é ser agricultora e viver no campo ao lado de sua família. Moradora da comunidade de Gendiba, localizada no município de Presidente Tancredo Neves (BA), ela acaba de finalizar o curso técnico em agropecuária e, junto com seus pais e irmãos, cultiva mandioca, banana e cacau.

Daniela conta que sua vida se transformou desde que ingressou na Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN). A instituição está ligada ao Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de Áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDCIS), fomentado pela Fundação Odebrecht e parceiros públicos e privados.

O objetivo é oferecer educação profissional de qualidade a jovens, estimulando a permanência no campo e na agricultura familiar como empresários rurais e cooperados. “Eu não tinha perspectivas para o futuro, mas tudo começou a mudar quando fui aprovada no processo seletivo”. Daniela conta que sua intenção era adquirir novos aprendizados e colaborar com o desenvolvimento de sua família. “Sempre vi meus pais trabalhando muito e tendo pouco retorno, por isso me sentia desestimulada. A CFR-PTN mudou minha visão e me fez perceber a importância e o potencial da agricultura”. Todas as técnicas de plantio e cultivo que ela aprendeu na instituição de ensino foram repassadas em sua casa e, com isso, seus pais começaram a produzir mais gastando menos.


Daniela e sua mãe, dona Valdelice, cuidam dos cultivos da família


A jovem foi a maior incentivadora da mãe, dona Valdelice Maria de Jesus, que se associou à Cooperativa de Produtores Rurais de Presidente Tancredo Neves (Coopatan), e tem conseguido produzir melhor, alcançando grandes resultados. “Nossa renda mensal era de pouco mais de um salário mínimo e, atualmente chega a R$ 2.500”, conta Valdelice.

As conquistas despertaram em Daniela o sonho de adquirir a própria terra. “Me orgulho em viver na zona rural e quero continuar trabalhando com e para a minha família”, diz.

Toda família está juntando parte da renda para aquisição de uma propriedade. “O trabalho tem a capacidade de mudar a história de todos e é ele que tem contribuído com nosso crescimento”, finaliza Valdelice.

Newsletter
Quer apoiar nossa causa?
Cadastre nome e e-mail e aguarde nosso contato.
preload
2018 - 2019. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital