09h43

Edição 171 - Raiz de um novo negócio

BNDES apoia implantação de fábrica de farinha no Baixo Sul da Bahia

Compartilhe
Tamanho do texto

Texto Livia Montenegro
Fotos Márcio Lima


Famílias como a de Daniela (centro) serão beneficiadas com a implantação de uma das mais
modernas fábricas de farinha do país

 

O maior orgulho de Daniela de Jesus Guedes, 19 anos, é viver no campo ao lado da família. Filha de agricultores, ela mora com os pais e dois irmãos na comunidade de Gendiba, no município baiano de Presidente Tancredo Neves. Todos os dias, eles acordam às 5 horas da manhã para trabalhar em seus cultivos de mandioca, banana e cacau. A família não possui terra própria, e, por meio de uma parceria com o vizinho, desenvolve as plantações, dividindo com ele o valor da venda dos produtos.

Todo o cultivo de banana é comercializado pela Cooperativa dos Produtores Rurais de Presidente Tancredo Neves (Coopatan), que também absorve a produção de mandioca e a transforma em farinha. A mãe de Daniela, Valdelice Maria de Jesus, 43 anos, garante que a renda e a qualidade de vida melhoraram desde que se tornou cooperada. “Recebíamos pouco mais de um salário mínimo e hoje ganhamos cerca de R$ 5 mil mensais. Esse valor é dividido com o proprietário da terra”, conta.

Famílias como a de Daniela serão beneficiadas com a implantação de uma das mais modernas fábricas de farinha do país, que será instalada na sede da Coopatan, em Presidente Tancredo Neves. A conquista é resultado de um Acordo de Cooperação Técnica e Financeira entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Fundação Odebrecht. Firmado em 2009 e com execução em seis anos, o Acordo contempla investimentos para o Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDCIS), fomentado pela Fundação Odebrecht e por parceiros públicos e privados.

A Coopatan é uma das instituições ligadas ao PDCIS e garante renda e qualidade de vida aos seus 293 associados, além de oferecer produtos de qualidade aos parceiros e clientes. “Nossa atuação é essencial para o fortalecimento da produção de mandioca e para a fruticultura na região”, ressalta Juscelino Macedo, Coordenador do Negócio Mandioca e Fruticultura no PDCIS.

Mais renda

Para a implantação da fábrica, serão destinados mais de R$ 5 milhões. O investimento contempla a aquisição de equipamentos modernos, q ue garantirão total padronização e higienização da produção. Macedo relata que as obras começaram em março e devem estar concluídas em um ano. Ele acrescenta que, entre os principais benefícios para os cooperados, estão o aumento da renda média mensal em R$ 640 e um incremento no número de associados, que pode crescer mais de 30% nos próximos quatro anos”.

Serão processadas farinhas de mandioca branca e amarela, além de massa de aipim e puba. Os produtos atenderão às exigências das grandes redes de supermercados parceiras do PDCIS para a certificação de marcas – empresas que já comercializam os artigos Coopatan em suas lojas.

O apoio do BNDES também já tornou possível a construção da sede do Centro de Formação Profissional Construir Melhor, em Valença, e a aquisição de máquinas, implementos agrícolas e veículos para a Cooperativa dos Produtores de Palmito do Baixo Sul da Bahia. Além disso, foram disponibilizados recursos para reforma e ampliação das Casas Familiares Rurais de Igrapiúna e Agroflorestal, unidades de ensino que oferecem formação sobre a realidade do campo para jovens do Baixo Sul da Bahia.


Acesse aqui
Receba nossas novidades:
Basta informar seu nome e melhor e-mail!
2018 - 2019. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital