10h59

Contribuindo para ampliar o conhecimento

Embrapa inicia pesquisas com estudantes da Casa Familiar Agroflorestal, localizada em Nilo Peçanha (BA)

Compartilhe
Tamanho do texto


Desde 2012 a Embrapa desenvolve pesquisas com jovens da CFR-PTN
 

Com a missão de “viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura”, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) atua em diversas regiões do País. Na Bahia, contribui com a formação de jovens empresários rurais por meio do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de Áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDCIS), fomentado pela Fundação Odebrecht com o apoio de parceiros públicos e privados.

Em parceria com a Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN), a Embrapa desenvolve, desde 2012, o Programa de Bolsa de Iniciação Científica Júnior (PBIC), que agora será implantado também na Casa Familiar Agroflorestal (Cfaf). Na CFR-PTN, nove estudantes participaram de linhas de pesquisa focadas na promoção do controle natural de pragas na mandioca. A previsão para execução completa do experimento é de três anos.

Três jovens bolsistas da Cfaf, localizada no município de Nilo Peçanha (BA), foram selecionados para articularem pesquisas com temas voltados a agroecologia, manejo florestal e quintais agroflorestais. Este último corresponde a áreas de cultivo de espécies agrícolas, florestais, medicinais e ornamentais próximas às propriedades rurais.

Rômulo Carvalho, Pesquisador da Embrapa e orientador das pesquisas nas Casas Familiares, salienta que “com o diálogo entre os saberes científico e o popular é possível construir novos conhecimentos com base nas realidades socioeconômicas e ambientais locais”.


Na Cfaf, as pesquisas serão voltadas para implantação de quintais agroflorestais

Para Rita Cardoso, Diretora Executiva da Cfaf, responsável pela iniciativa e coautora dos trabalhos de pesquisa nas Casas Familiares, a ação visa transformar a produtividade das unidades-família, gerando trabalho e renda. “Iniciaremos a metodologia de trabalho no mês de julho, com um ciclo de palestras para todos os estudantes da Casa Familiar. Os três jovens foram escolhidos para disseminar os resultados em toda a instituição de ensino e na região do Baixo Sul”, esclarece.

Os critérios para a seleção foram desempenho escolar e disponibilidade de área de produção para pesquisa na propriedade da família. Patrícia Nascimento, 15 anos, está cursando o 2º ano na Cfaf e foi uma das selecionadas para participar do projeto. Ela acredita que poderá contribuir com o aprendizado para outras famílias da região, possibilitando aumento na renda de todos. “Não pensamos somente em nós. Nossa prioridade é a comunidade”, diz.

Receba nossas novidades:
Basta informar seu nome e melhor e-mail!
2018 - 2019. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital