14h31

O começo de um sonho

Com metodologia diferenciada e formação em três anos, Casas Familiares Rurais dão início ao ano letivo no Baixo Sul da Bahia

Compartilhe
Tamanho do texto

Em suas mochilas, os novos alunos da Casa Familiar Rural de Igrapiúna (CFR-I) traziam, entre cadernos e canetas, a expectativa de vivenciarem uma grande jornada em suas vidas. Ao iniciar o ano letivo, em 19 de janeiro, os jovens conheceram a história do Baixo Sul da Bahia, por meio de dinâmicas e atividades em sala, e compartilharam as particularidades de suas comunidades. Com o auxílio da cartilha “Entendendo o PDCIS”, eles também puderam mergulhar na dinâmica e filosofia do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia, apoiado pela Fundação Odebrecht.

Entre os recém-chegados, foi unanime a certeza de que são privilegiados por estarem ali. Hugo Daniel Santos, 15 anos, morador da comunidade dos Tachos, em Nilo Peçanha, sentiu-se em um sonho. “Eu estou tão feliz por esta oportunidade que às vezes chego a pensar que não é real. Esta semana foi maravilhosa, aprendi muito sobre a realidade da minha região e volto para casa já pensando na próxima alternância”, comenta. Marcada pela heterogeneidade, a turma de número sete do Curso Técnico em Agronegócio Integrado ao Ensino Médio reúne jovens com faixa etária entre 14 e 18 anos, de sete municípios e 29 comunidades.


Momento cívico marcou o início do ano letivo na CFR-I

Também no dia 19, a Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN) desejou as boas-vindas aos alunos selecionados para décima primeira turma do Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio. “Começamos a alternância com o pé direito, estou muito ansioso e entusiasmado com os ensinamentos”, confessa Joelson Cruz, 17 anos, jovem selecionado para fazer parte do primeiro ano de formação. Após a cerimônia de abertura, os jovens assistiram a palestra sobre o manejo e conservação dos solos, ministrada pelo professor doutor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Washington Duete. O tema foi escolhido com o objetivo de destacar o Ano Internacional dos Solos, comemorado em 2015 segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

Na Casa Familiar Agroflorestal (Cfaf), a primeira aula do ano foi realizada no dia 20 e contou com os 36 jovens dos municípios e comunidades do Baixo Sul da Bahia aprovados no processo seletivo da instituição. Ao falar com os estudantes, a diretora Rita Cardoso lembrou a oportunidade oferecida pela Casa durante a formação. “Cada jovem será uma semente de transformação e agente de desenvolvimento nas suas respectivas localidades”.

Com a presença e o depoimento de antigos alunos, a exemplo de Ederlan Araújo, formado em 2013, que contou como a vivência na Cfaf transformou o seu olhar e a sua forma de enxergar a vida, os novos estudantes falaram sobre suas expectativas. “Por meio das atividades e de tudo que aconteceu neste primeiro dia, estamos começando essa nova etapa de nossas vidas com um grande incentivo. Ter conhecido melhor a realidade em que vivemos nos dá mais oportunidade de nos desenvolvermos com o próximo” afirmou o novato Eziquiel Barbosa, de Ituberá (BA).

As Casas Familiares Rurais, que fazem parte do Pacto de Governança do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDCIS), apoiado pela Fundação Odebrecht em parceria com instituições públicas e privadas nacionais e internacionais, utilizam uma metodologia diferenciada, chamada de Pedagogia da Alternância, em que os estudantes passam uma semana na unidade de ensino em período integral, com aulas na sala e no campo, e duas semanas em suas propriedades, aplicando os novos conhecimentos. Essa formação dura três anos. Em 2015, 107 novos alunos foram admitidos.

 

 

Receba nossas novidades:
Basta informar seu nome e melhor e-mail!
2018 - 2019. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital