07h10

Crescimento que se estende à família

Conheça a história de Sandra dos Santos, agricultora beneficiada pelo PDCIS que vem adotando o uso de práticas agroecológicas em sua plantação

Compartilhe
Tamanho do texto
Beneficiada pela OCT, Sandra comemora sua plantação “cada vez mais verdinha”

Conservar os recursos naturais não era uma prioridade para a pequena produtora rural Sandra dos Santos. Moradora da comunidade de Feira do Rato, no município baiano de Igrapiúna, ela conta que o que faltava era informação: “Não tínhamos o conhecimento de que era necessário preservar o meio ambiente em nossas áreas”, diz.

Essa realidade mudou quando Sandra se tornou beneficiária da Organização de Conservação da Terra (OCT), uma das instituições parceiras do Fundação Odebrecht para a realização do PDCIS, seu Programa Social. Ao lado de sua família, a agricultora passou a inserir práticas agroecológicas em suas lavouras a partir da orientação técnica da equipe da OCT.

A cada dia, Sandra aprende novas formas de produzir com sustentabilidade. “Eles nos ensinaram a fazer balizamento das áreas produtivas, adubação e usar a biocalda (composto líquido preparado a partir de insumos da propriedade ou de fácil acesso, utilizado para fertilização dos cultivos e auxiliar no controle de pragas e doenças). Nossa plantação ficou toda verdinha”,  relata com orgulho.

A partir das mudanças na forma de produzir, a agricultora percebe uma melhora no orçamento da família. Com um Sistema Agroflorestal (SAF) – tipo de manejo que combina o plantio de espécies agrícolas e florestais ao mesmo tempo e em uma área em comum, com ou sem a presença de animais, tornando-a mais produtiva – implantado em sua propriedade e cultivando produtos como cacau, seringueira, banana, urucum e hortaliças, ela afirma que está conseguindo alcançar novas fontes de renda.

Mulheres no campo

Sandra contribui para a média de 18,6% de mulheres que têm participação na agricultura no país, segundo dados divulgados em 2018 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para ela, atuar no campo é sinônimo de satisfação. “Sempre trabalhei da melhor forma possível e tenho orgulho de criar meus filhos com a minha roça. Acho que a gente tem que se sentir satisfeita pelo que somos, por sermos mulheres e guerreiras”, reforça.

Desempenhando um papel de liderança em sua família, a produtora rural comenta ainda sobre a importância de preparar os filhos para o futuro. “Nós, que temos o conhecimento, precisamos passá-lo para nossos filhos para que, amanhã, eles deem continuidade ao nosso trabalho”, afirma.


 

Newsletter
Receba nossas novidades
Basta informar seu nome e melhor e-mail.
preload
2018 - 2020. Fundação Odebrecht. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital